REDES:

_

Com novidades, Viação Itapemirim recebe o MOB Ceará São José de Ribamar: a empresa extinta mais falada na busologia Marcopolo apresenta plataforma BioSafe para empresários no Ceará RCR Locação acrescenta em sua frota cearense novos Ideale 800 Horizonte Transportes inova com aquisição de ônibus 0km

segunda-feira, 26 de abril de 2021

Conheça todos os códigos das empresas urbanas de Fortaleza

Até 1991, as empresas de ônibus de Fortaleza usavam os prefixos de seus ônibus da maneira que "quisessem", utilizando de 1 a 3 algarismos na composição, selecionados da forma que lhes agradassem.



A Muribeca, por exemplo, usava seus prefixos na casa dos "300", como por exemplo "350". A Autoviária Freitas ordenava do 1 em diante, sem zero na frente. A Ultracol usava a sequência de 5 em 5 (50, 55, 60...), etc.




Depois que o sistema começou a se preparar para ser integrado, as empresas da época ganharam códigos e obrigatoriamente tinham que ter, ao todo, 5 dígitos nos prefixos. Veja a lista de todas as empresas que em 1991 ganharam os códigos:

01-Autoviária São Vicente
de Paulo
02-Auto Viação Fortaleza
03-Expresso Timbira
04-Cialtra
05-Viação Bons Amigos
06-São Cristóvão
07-Empresa Iracema
08-Viação Angelim
09-CTC
10-São José de Ribamar
11-Montenegro
12-Auto Viação São José
13-Transpessoa
14-Gerema/Águia Branca/Siará Grande
17-Nossa Senhora Aparecida
18-Salete
20-Santa Maria
22-Autoviária Freitas
23-Viação Brasília
24-Transportadora Irmãos Bezerra
25-São Francisco
26-Maraponga
27-São Benedito




Os códigos faltantes não tiveram empresas em operação e o motivo ainda é desconhecido por esta equipe de busólogos.

Em 1995, entrou mais uma empresa no sistema urbano, oriunda do Espírito Santo, para rodar a serviço da CTC, que foi a 29-Transpenha.



Em 1996, a empresa Iracema faliu, e com a divisão de suas linhas, foi-se criada uma nova empresa, a 30-Viação Fortaleza filial, que na sequência se transformou em Via Urbana.

Em 1998, a empresa Cialtra estava passando por fusões e surgiram 2 novos códigos para parte da frota da empresa. Com o mesmo nome fantasia da companhia, criaram-se os códigos 31 e 32, mas o 31 foi abolido e seus carros repassados para a Via Urbana e a 32 se tornou a Auto Viação São Judas Tadeu. O código da Cialtra ficou com a então nova empresa, chamada Via Máxima.



Em 1999, o fundador da São Vicente de Paulo falece, e a empresa é dividida. Com isso, a "01" ganha o nome Rota Sol e a nova parte da empresa se chama 33-Rota Expressa.



Em 2000, surge uma nova obrigatoriedade para as empresas. Os prefixos devem sinalizar o ano de fabricação no terceiro digito, e o último algarismo ser usado como referência para o calendário de vistorias periódicas de acordo com a idade dos carros. Inicialmente, os veículos com até 5 anos de idade faziam vistorias a cada 6 meses, e os mais velhos de forma trimestral. Mas desde 2016, houve um aumento no limite, onde as vistorias semestrais atingem os veículos com até 6 anos de idade.



Ou seja, em 2000, o carro 17619 da Nossa Senhora Aparecida, com carroceria fabricada em 1996, fazia vistorias cada 6 meses por ter 4 anos de idade. Seu número final 9, indica que sua vistoria era feita nos meses de maio e novembro. Em 2002, caso a empresa ainda existisse, ele seria fiscalizado nos meses 02, 05, 08 e 11.

De 2001 em diante, muitas empresas novas apareceram, outras mudaram suas razões sociais. Então vieram as seguintes:

34-Botucatu (2001)
08-Costa do Sol (2001)
35-Vega (2002)
36-Viação Timbira (2002)
37-Aliança (2003)
38-Maratur (2003)
39-São Benedito (2003)
40-Cidade Luz (2003)
41-Terra Luz (2003)
42-Viação Urbana filial/Dragão do Mar (2004)
43-Cearense (2004)
15-Asa Azul (2004)
16-São Vicente (2004)
21-Aliança (2007)
36-Santa Cecília (2010)
19-Fretcar (2011)



Desde 2011, nenhuma nova empresa entrou ou mudou de nome. O TopBus Jardineira usa o código 44 apenas para controle das empresas, mas não expõe na lataria dos veículos. Antes era usado o código 61. O código "28" chegou a ser utilizado em 04 veículos que chegaram de fábrica para a Santa Maria, que segundo informações da época, seria uma nova razão social que a empresa estaria criando - a Costa Azul - porém isso acabou não se concretizando, e esses ônibus ficaram com o código "20": 913, 959 e 02 carros 2008.



A COOTRAPS, cooperativa do transporte complementar, usa o código 67 e tem as mesmas regras de obrigatoriedades dos ônibus urbanos.



Fonte: MOB Ceará
Redação: Narcisio Santos


5 comentários:

Unknown disse...

Narcisio,por favor, tire me uma dúvida: Por que, a Aliança não usa seu código de origem, o 37? E também, por que a Fretcar, não isso código 40, usa o 19??? A quem pertenciam antes os referidos códigos?

Narcisio Santos disse...

Acho que mudança de sociedade mudam os códigos. A 36 não mudou pq não teve talvez esse tipo de coisa

Unknown disse...

Bela matéria mob...

ADRIANO ALMEIDA disse...

Gostei da matéria 👏👏👏👏👏

Edson Feijó disse...

Ótima matéria....parabéns a todos...