Ceará Diesel apresenta novidades em evento noturno MS Turismo realiza visita e passeio com o MOB Ceará MOB Ceará conhece Via Metro e Guanabara de Juazeiro do Norte Busólogos procuram relíquias em Redenção-CE Visita na Viação Pernambucana MOB Ceará participa de evento em Londrina-PR Busca de antiguidades em Juazeiro do Norte

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Padronização (e despadronização) de frotas urbanas – O Caso da Cidade do Rio de Janeiro


A padronização de pinturas de frotas urbanas teve seu início no Brasil na década de 1970, quando São Paulo e Curitiba lançaram-se a reorganizar seus sistemas de transporte por ônibus. Outras capitais como Goiânia, Fortaleza e Recife seguiram a tendência nas décadas de 1980 e 1990, criando pinturas específicas para serviços distintos e/ou regiões delimitadas de operação.

A cidade do Rio de Janeiro, durante décadas, ficou  conhecida por sua frota colorida, chamando a atenção de entusiastas de todo o país e até do exterior.

Atualmente a maioria das capitais, além de diversas cidades pequenas, médias e grandes tem suas frotas padronizadas. A cidade do Rio de Janeiro foi das últimas capitais a adotar, em 2010, o que ficou conhecido popularmente como “PP” – pintura padronizada. Junto com a “PP” vieram a licitação do sistema, a reorganização de linhas, a criação de consórcios e a divisão de regiões de operação por cores.



Para surpresa de muitos, no corrente ano de 2018, portanto apenas oito anos depois da grande e polêmica padronização de 2010, a atual administração municipal carioca volta atrás e libera as empresas para adotarem novamente pinturas personalizadas.   Com essa liberação, novamente as ruas cariocas passam por um processo de mudança visual nos ônibus urbanos, mesclando a sobriedade da pintura padronizada com o colorido das pinturas personalizadas. Algumas empresas tem apresentado pinturas semelhantes as pinturas anteriores à “PP”, outras vieram com pinturas totalmente diferentes.



Fonte: MOB Ceará
Colaboração: Marinaldo Jr

11 comentários:

  1. SP começou a padronizar, lamentavelmente, diga-se, a partir de 1978 e não no início dos Anos 1970. Até 1978 as empresas eram imediatamente reconhecidas pelas pessoas, o que era muito bom para o sistema de transporte local.

    Referente à questão da padronização das pinturas por operadora, a questão não é saudosismo ou privativismo, como já ouvi. Não sou saudosista nem privatista, ao menos nessa questão.

    Minha análise é técnica.

    Senão vejamos as vantagens da padronização por operadora e não por determinação estatal (padronização única):

    1 – para o passageiro: enxerga à distância e com muito maior acuidez o “seu” ônibus, que está indo para o “seu” bairro ou a “sua” cidade.

    2 – para o empresário: gasta menos com combustível, freios e pneus, à vista que não há tantas freadas bruscas realizadas por passageiros que, por não enxergarem à distância o “seu” ônibus, acabam por fazer sinal repentinamente, após selecionar entre os inúmeros ônibus existentes, o “seu”.

    3 – para o gestor público: controla melhor todo o sistema, inclusive a qualidade de cada operadora, permitindo ainda aos passageiros não confundir o operador com o gestor.

    4 – para a mobilidade geral: permite que os ônibus andem mais rápido como um todo. Portanto, o sistema de ônibus andará mais rápido, já que os passageiros tenderão a acelerar os sinais que fazem para os “seus” ônibus.

    5 – para o visual urbano: faz com que o colorido das operadoras melhore o visual das cidades, tão “cinzentas” que são. Não é um festival de cores, mas sim uma visualização melhor do colorido urbano.

    6 – para a qualidade total: faz com que as operadoras queiram efetivamente melhorar suas operações, incluindo veículos, pois a perfeita identificação de cada uma delas faz com que todos percebam quem é melhor e quem não é tão bom assim.

    7 – para o sistema de transporte: permite que, inclusive em consórcio, cada operadora seja perfeitamente identificada, objetivando melhor relação custo-benefício no sistema de transporte como um todo.

    Saudações,

    Mario Custódio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MATÉRIA:"A padronização de pinturas de frotas urbanas teve seu início no Brasil na década de 1970..."
      COMENTÁRIO: "SP começou a padronizar, lamentavelmente, diga-se, a partir de 1978 e não no início dos Anos 1970."
      NOTA: como pode-se perceber, não foi citado no texto que a padronização em SP surgiu no início, no meio, ou o fim dos anos 1970.
      Foi, sim, citado, que a padronização teve seu início "NO BRASIL" nos "ANOS 1970" (onde se inclui 1978).

      Excluir
    2. OLÁ MARINALDO

      Desculpe-me, não quis ser indelicado, apenas registrar que SÃO PAULO começou a padronização estatal em 1978.

      A meu sentir, a grande maioria das pessoas comunga da mesma ideia ou seja, se há mais de uma operadora numa cidade ou região, a marca que deve estar na mente dos que tomam ou não ônibus é a imagem de cada empresa e não uma pintura por imposição estatal, de cima para baixo, tendo todos que "engolir" um design que fere um dos princípios básicos do marketing de comunicação, qual seja: "a imagem de uma empresa é o meio pelo qual ela se fixa nas mentes dos seus públicos de relacionamento". E isso faz perceber o melhor ou o pior atendimento, fazendo com que o nivelamento seja sempre por cima e não por baixo, como ocorre hoje.

      SMJ e novamente com meu pedido de desculpas.

      MARIO CUSTÓDIO

      Excluir
  2. P a d r o n i z a ç ã o. Uma palavra que me faz lembrar do comunismo. Me fez lembrar daqueles feiosos e sem vida, dos conjuntos de apartamentos, todos iguais. Localizados nas periferias da Rússia. E de todas as cidades do leste europeu sobe o domínio da antiga URSS. A padronização das coisas, uma arma diabólica usada estatalmente. Para a manipulação das mentes, todos pensando a mesma coisa. Todos pensando aquilo que o Estado queria que você pensasse. E que pensasse isso coletivamente. Um pensamento coletivo dominado pelo estado.

    E viva o colorido! Viva o colorido que traz vida e alegria! E viva o fim da padronização! E que ela chegue aqui, também! Também aqui na minha amada Fortaleza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. FAÇO VOTOS QUE A PADRONIZAÇÃO POR OPERADORA CHEGUE A FORTALEZA E EM OUTROS LOCAIS DO BRASIL, PARTICULARMENTE EM SP, ONDE A DIVISÃO POR CONSÓRCIOS CONTINUA ATRAPALHANDO A VIDA DAS PESSOAS.

      NO CASO DA EMTU PIOR AINDA, POIS ESTA DETERMINOU A PADRONIZAÇÃO DE TODAS AS COMPANHIAS DE ÔNIBUS DE TODAS AS REGIÕES METROPOLITANAS DO ESTADO, FAZENDO COM QUE ATÉ LINHAS RODOVIÁRIAS DE LONGO PERCURSO ESTEJAM PADRONIZADAS AO GOSTO ESTATAL.

      É O "FIM DA PICADA" EM PREJUÍZO AO POVO.

      RIO DE JANEIRO, SABIAMENTE, INVERTEU A LÓGICA, ALGO QUE A ESPANHA TAMBÉM FEZ. O CONSÓRCIO APARECE COMO INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR. O DESIGN DA COMPANHIA É O PRINCIPAL E QUE VAI POSSIBILITAR A LOCALIZAÇÃO AO LONGE DO CARRO E SERVIRÁ TAMBÉM PARA IDENTIFICAR PERFEITAMENTE A QUALIDADE APRESENTADA PELA OPERADORA.

      Excluir
    2. Unknown, isso mesmo cara! Até porque também aqui em Fortaleza. Infelizmente as três empresas do Grupo Guanabara do famoso rei do ônibus, Jacob Barata, 02-Viação Fortaleza, 30-Viação Urbana e 42-Viação Dragão do Mar. SIMPLESMENTE Não respeitam as áreas de outros consórcios, em detrimento das outras empresas. Digamos que elas gozam te um certo privilégio da prefeitura! Absurdo!

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Graças a Deus essa imbecilidade acabou!

    ResponderExcluir
  5. Espero que o próximo prefeito que vai ser eleito daqui a dois anos se comprometa em liberar as empresas de Fortaleza usarem suas próprias pinturas como era nos anos 60 70 e 80

    DEFENDO O FIM DA PADRONIZAÇÃO E VOLTA DAS PINTURAS PERSONALIZADAS DAS EMPRESAS!!!!

    SOU DE FORTALEZA/CE

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário sobre nossas matérias, ou mande sugestões através do contato [email protected]
Ressaltamos que não nos responsabilizamos pelo conteúdo dos mesmos.

Tradutor