REDES:

_

Novos LD's da Satélite Norte são conferidos por busólogos cearenses Ceará Diesel enfatiza DD's da Marcopolo e Busscar em Happy Hour Neuri Tur convida busólogos para aproximação Sindiônibus convida MOB Ceará para conversa sincera sobre mobilidade urbana MOB Ceará visita as instalações da Ferrari JG - Marcopolo MOB confere novos micros e rodoviários da Princesa

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Dragão do Mar desativa 42001, um dos seus últimos 1418 de 5 marchas

Foi desativado pela Auto Viação Dragão do Mar o ônibus 42001, e com isso, o carro 42002 passou a ser o único na empresa com o chassi Mercedes-Benz OF-1418 com câmbio de 5 marchas.


Ficaram restando então 19 ônibus ano 2010, os mais antigos da viação. Além do 42002, tem os carros 42039 ao 42056 que também são OF-1418, porém com transmissão de 6 velocidades. Levando em consideração o atual cenário econômico, acredita-se que os veículos sairão de frota até o ano que vem.


Fonte: MOB Ceará
Redação: Paulo Henrique Felício

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Os 2 primeiros Ibrava Apollo do Ceará e da COOTRAPS

Ainda operam os dois primeiros ônibus com carroceria Ibrava Apollo do Ceará, adquiridos por cooperados do transporte complementar de Fortaleza.


Os carros atualmente são cadastrados sob número de ordem 67116 e 67123, rodando respectivamente nas linhas 712 e 755. O 67123 em particular possui uma ótima conservação. Ele também possui piso taraflex, que emite o mínimo de ruído e deixa o veículo com aspecto de novo. Depois dessa aquisição, a cooperativa comprou 1 em 2012 e mais 21 unidades com chassis Volkswagen e Agrale, que foram entregues entre 2013 e 2014. A montadora Ibrava não funciona mais nos dias atuais.


Fonte: MOB Ceará
Redação: Narcísio Santos

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Empresa baiana Emtram chega ao Ceará

A baiana Empresa de Transporte Macaubense - Emtram, está chegando ao estado Ceará.


A companhia chega ao Ceará através de um contrato de terceirização de transporte de funcionários, junto a Cortez Engenharia, empresa sediada em Trairi, no litoral norte do estado.

A Emtram enviou 3 veículos para o serviço, sendo do modelo Comil Campione Vision 3.45 montados sobre o chassi Mercedes-Benz OF 1722. 




Os ônibus estão em operação dentro da região de Trairi, se caracterizando como fretamento de funcionários apenas para a indústria.

Fonte: MOB Ceará
Redação: Roger Gomes
Colaboração: Pedro Henrique

Tempos áureos do urbano de Fortaleza

Nos tempos áureos do transporte urbano de Fortaleza, que começou a alavancar na década de 1970, teve seus avanços mais importantes a partir dos anos 90, onde o cenário das empresas era ímpar, comparado a qualquer outro momento.


Para algumas, a situação de conforto era muito maior que nos anos 80, já para outras, a coisa já estava se encaminhando para o caos administrativo e econômico.

Traduzindo os anos 90 e 2000 em comparação ao atual, muitas empresas estariam com a frota mais nova. A Viação Fortaleza estaria vendendo seus veículos de 2014, ficando com a frota quase toda climatizada.


A Maraponga, nem se fala. Estaria vendendo seus carros 2015 à Cearense, e sendo a primeira do sistema a ter frota 100% climatizada. Teria substituído os mais de 70 ônibus que atualmente ainda rodam de 2011 a 2015. Talvez, somente, o articulado ainda rodasse, já que a vida útil deste modelo é maior na maioria das empresas.


A Vega já teria se ''desfeito'' de todos os seus ônibus acima de 8 anos assim como a São José. Imagine que hoje não rodariam os carros de 2008, 2009, 2010, 2011 e, talvez, apenas parte dos 2012.



Dos tempos áureos, trazendo-se para hoje as mesmas políticas das empresas, mesma demanda por veículo, estrutura fiscal e econômica, muitas empresas hoje teriam uma melhor manutenção, carros mais bem cuidados. O que não valeria a pena trazer, dependendo do ponto de vista, seria a concorrência entre elas nas mesmas linhas.

Os passageiros tinham mais opções, contudo, existiam mais disputas por demanda e isso trazia consigo, também, mais irresponsabilidade dos condutores, mais custo com combustível e mais acidentes que hoje.

A variedade de pinturas dos anos 90 também marcou os tempos áureos, mas não tanto como nas décadas de 1960 a 1980. Cada empresa tinha sua própria identidade, ainda que fosse uma pintura simples e parecida com outra empresa, como os ônibus brancos com "saias pintadas unicolor" da CTC que pareciam com os da Angelim, Autoviária São Vicente de Paulo, apenas uma faixa amarela fina como diferença entre ambas. Bons Amigos, e outras também adotaram os veículos brancos com uma faixa inferior de uma cor, sem figuras e logotipos.



Cada empresa, nos tempos áureos, compravam o modelo que quisesse, sem pensar em sua logística de reposição de peças. A margem era tão grande que a administração dos custos era coisa para gente "miserável", miseráveis estes que foram os únicos que passaram pelos "tempos áureos" e permanecem até hoje.


Fato é que um dos principais motivos de muitas das concessionárias antigas não estarem hoje no sistema urbano foi a falta de uma gestão com visão macro do ambiente econômico externo e político, que preparou muitos empresários para um negócio que tendia a diminuir suas margens, mas que lhes manteriam no mercado por mais tempo.

Quanto mais buscas crescer, mais solidez você conquista. Quanto maior, mais poder, seja de barganha, influência política entre outros. A pouca ganância, muitas vezes, colabora para uma vida curta da companhia. É preciso sempre continuar crescendo. Em Fortaleza, viu-se pequenas empresas se tornarem grandes, décadas depois, sem precisar se aliarem a holdings poderosas, como a Maraponga e Santa Cecília.


Já outras, que eram grandes nos tempos áureos, sequer chegaram a metade dos anos 2000, sendo vendidas aos pedaços para pequenas empresas com até menos tempo de existência que elas.



O que parece é que hoje, para as empresas, a coisa piorou. Para os passageiros, o transporte melhorou e, para os busólogos? Você pode comentar neste site a sua opinião.


Fonte: MOB Ceará
Redação: Narcisio Santos

terça-feira, 31 de março de 2020

Viajando pelo Nordeste: De Salvador (BA) para Juazeiro do Norte (CE)

Em mais um edição do quadro Viajando pelo Nordeste, a equipe de editores deste site apresenta os detalhes da linha que liga a capital baiana a cidade que é referência no turismo religioso, Juazeiro do Norte (CE).


Juazeiro do Norte é um município brasileiro do estado do Ceará. Localiza-se na Região Metropolitana do Cariri, no sul do estado, distante 491 km da capital, Fortaleza, a uma altitude de 377 metros acima do nível do mar.



Salvador, a capital do estado da Bahia no nordeste do Brasil, é conhecida pela arquitetura colonial portuguesa, pela cultura afro-brasileira e pelo litoral tropical. O bairro do Pelourinho é seu coração histórico, com vielas de paralelepípedo terminando em praças grandes, prédios coloridos e igrejas barrocas, como São Francisco, com trabalhos em madeira revestidos com ouro.
Apenas duas empresas são regulamentadas pela ANTT para operarem no trecho, são elas: Viação Itapemirim e a Transporte Coletivo Brasil (TCB). A seguir, o estimado leitor poderá conferir os detalhes destas operações.



A Viação Itapemirim opera este trecho como secção da linha Salvador (BA) x Fortaleza (CE) e disponibiliza os seguintes horários:
Sentido: Salvador (BA) x Juazeiro do Norte (CE)
Terça-feira às 19h10, Quinta-feira às 19h10, Sábado às 19h10.
Sentido: Juazeiro do Norte (CE) x Salvador (CE)
Segunda-Feira às 18h, Quarta-feira às 18h, Sexta-feira às 18h.
Pela Viação Itapemirim, a viagem tem em média cerca de 17 horas de duração e percorre cerca de 850 quilômetros. Vale ressaltar que a linha começa no município de Iguatu, interior do Ceará.




A outra empresa que opera este trecho, segundo o site da ANTT, é a Transporte Coletivo Brasil (TCB), porém até o final desta edição, a equipe de editores não recebeu informações sobre a atual situação da operação da empresa nesta linha.



Fonte: MOB Ceará
Redação: Nemezio Neto

segunda-feira, 30 de março de 2020

VicTur vende G7 para empresa do Rio Grande do Sul

A empresa VicTur, que atua no setor de fretamento e turismo cearense, acaba de repassar a OSS Viagens e Turismo um dos seus Marcopolo Paradiso G7.


O ônibus em questão é equipado com o chassi O-500RSD da Mercedes-Benz e foi comprado pela VicTur em 2017, e anteriormente pertencia a Planalto Transportes. Na compra em questão, a empresa trouxe dois ônibus, sendo que um deles está sob propriedade da Neuri Tur.



O Marcopolo Paradiso G7 1200 possui eixo trucado e 14 metros de comprimento, tem 50 lugares com poltronas reclináveis, banheiro, geladeira e apoio para os pés. Agora, o ônibus pertence a OSS Viagens e Turismo de São Luiz Gonzaga (RS). O Mercedes recebeu o prefixo 1406 e já encontra-se emplacado com o novo padrão utilizado no Brasil. Anteriormente, o G7 ostentava o prefixo 23472002 (VicTur).

Fonte: MOB Ceará
Redação: Nemezio Neto