MOB conhece novos Caio Apache Vip da Santa Cecília Ranking das frotas mais novas do metropolitano Motta encomenda G7 1800 DD para 2018 Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

terça-feira, 24 de abril de 2018

Os Gigantes da Expresso Timbira

No ano de 1984, a Expresso Timbira adquiriu de fábrica 3 unidades do modelo rodoviário high-deck Nielson Diplomata 380 Volvo B58 com três eixos.

Com 13,2 metros de comprimento e 3,9 de altura, os veículos não tinham ar condicionado e possuíam os prefixos 187, 188 e 189. Algumas das características desses veículos: Serviço convencional (50 lugares + banheiro), Bagageiros de 16,6 m², caixa de marcha tipo split com 12 velocidades e faróis no para-choque.

De início, foram escalados na linha Fortaleza-Belém, sendo transferidos anos depois para os setores de Teresina e São Luís. Rodaram até meados de 1997/1998.

Curiosidades sobre esses veículos na Timbira:

- A caixa de marcha foi trocada em pouco tempo por uma caixa de 6 velocidades devido os motoristas não se adaptarem ao sistema split.

- Os faróis vieram de fábrica no para-choque, mas a péssima condição das vias no trecho no Maranhão e animais que colidiam com os veículos, ocasionava na quebra do para-choque e, consequentemente, na quebra dos faróis.

A Timbira então fez uma mudança, colocando os faróis na posição vertical, assim como era nos Diplomatas originais com motor dianteiro.

- Esses veículos não tinham cama para os motoristas. Então eles providenciavam uma cama nas duas últimas cadeiras, colocando um colchonete.

- Devido a sua altura, os veículos não tinham acesso as plataformas de embarque/desembarque da rodoviária Engenheiro João Thomé, pois as passarelas de acesso eram baixas, fazendo com que esses veículos desembarcassem fora das plataformas. Durante a década de 1980, as passarelas foram reformadas, aumentando sua altura e permitindo a entrada dos gigantes da Expresso Timbira.

Fonte: MOB Ceará
Colaboração: Renato Garcia

Conheça os novos trechos autorizados pela ANTT

A Agência Nacional de Transportes Terrestres acaba de autorizar mais um pacote de linhas para diversas empresas do Brasil. Saiba quais foram:

A Pluma Transporte e Turismo acaba de inserir mais mercados em sua lista de cidades operadas. As secções descritas posteriormente fazem parte da linha Foz do Iguaçu (PR) - São Paulo (SP), de prefixo nº 09-0085-00. Os trechos são: I - De: Foz do Iguaçu (PR), para: Osasco (SP); e II - De: Guarapuava (PR), para: Itapeva (SP) e Itapetininga (SP).

O Consórcio Guanabara de Transportes solicitou a implantação da linha Rio de Janeiro (RJ) - São José dos Campos (SP) que será operada com veículo executivo e terá as secções listadas: I - De: Rio de Janeiro (RJ) e Resende (RJ), para: São José dos Campos (SP). Além da linha citada anteriormente, o Consórcio Guanabara teve permissão para operação no trecho que liga o Rio de Janeiro (RJ) a Santos (SP). A linha será operada com veículo executivo e contará com as seguintes secções: I - De: Rio de Janeiro (RJ), para: Guarulhos (SP); e II - De: Resende (RJ), para: Santos (SP).

A Planalto Transportes LTDA foi autorizada a incluir mais uma linha no seu banco de roteiro de cidades atendidas. A linha Curitiba (PR) - Campinas (SP) será mais uma conexão entre as cidades da regiões Sul e Sudeste.

A Auto Viação Catarinense adicionou mais mercados para expansão do atendimento da empresa. As localidades que serão atendidas são secções da linha Curitiba (PR) - Santa Maria(RS). O trecho de prefixo nº 09-0234-00 terá os seguintes seccionamentos: I - De: Curitiba (PR), para: Tubarão (SC) e Porto Alegre (RS); II - De: Joinville (SC), para: Osório (RS); e III - De: Joinville (SC), Balneário Camboriú (SC), Florianópolis (SC), Tubarão (SC), Criciúma (SC) e Araranguá (SC), para: Santa Maria (RS).

A Viação Garcia não teve acréscimo de linhas, mas fez uma supressão de uma das secções que eram operadas pela empresa. A secção de Londrina (PR) para Ourinhos (SP) que faz parte da linha Londrina (PR) – São José dos Campos (SP) foi suspensa por deferimento da ANTT.

O Consórcio Federal de Transportes solicitou, junto a ANTT, a criação de mais uma linha para operação de suas empresas consorciadas. O trecho Goiânia (GO) x Salvador (BA) será seccionado nas localidades: I - De: Goiânia (GO), para: Ibotirama (BA), Ibitiara (BA), Seabra (BA), Itaberaba (BA) e Feira de Santana (BA); II - De: Anápolis (GO), para: Ibotirama (BA), Ibitiara (BA), Seabra (BA), Itaberaba (BA), Feira de Santana (BA) e Salvador (BA); e III - De: Brasília (DF), para: Alvorada do Norte (GO), Posse (GO), Ibotirama (BA), Ibitiara (BA), Seabra (BA), Itaberaba (BA), Feira de Santana (BA) e Salvador (BA).

A Rota do Mar Transportes teve o pedido de autorização revogado. A empresa fez a solicitação dos mercados: Estreito(MA) - Redenção(PA), Morrinhos(GO) - Mirandópolis(SP), Nova Iorque(MA) - Teresina(PI), e Presidente Dutra (MA) - Rondon do Pará(PA), disponibilizado na 1ªetapa conforme a deliberação nº 224, de 2016.

Fonte: MOB Ceará

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Saiba quais empresas deixaram o SIT-For de 2000 até então

Por incrível que pareça, em 18 anos, muitas empresas de ônibus desapareceram da vista dos fortalezenses.

Algumas saíram por insustentabilidade de suas operações, outras foram vendidas, mudaram de nome ou se juntaram com outra formando uma fusão, as tornando uma só. O MOB Ceará vai apresentar a lista das empresas que deixaram o sistema urbano a partir do ano de 2000, matando a curiosidade de muitos seguidores, confira:

2000

No ano de 2000, a empresa 17-Nossa Senhora Aparecida foi vendida à Maraponga e Santa Maria. A companhia operava no transporte desde 1963 e ficou conhecida pelas linhas 403-Av. Expedicionários/Parangaba, 307-Itaoca/Expedicionários entre outras.


No mesmo ano, a Viação São José comprou as linhas da 23-Viação Brasília, que ''marcou território'' nos bairros Padre Andrade e Monte Castelo. A 06-São Cristóvão que tinha linhas próximas da Brasília tambem encerrou em 2000.

A 29-Transpenha, que operou a serviço da CTC também encerrou suas atividades no ano de 2000, fazendo com que muitas empresas cearenses ganhassem vagas provisórias nas linhas da CTC.


2001

A Viação Angelim se transformou em 08-Costa do Sol, com novo quadro societário. A nova empresa assumiu as linhas e os veículos com até 4 anos de idade e melhorou a idade média da frota das linhas que abrangem os bairros Bela Vista, Planalto Ayrton Senna e Rodolfo Teófilo.


A 24-Transportadora Irmãos Bezerra também teve seu fim em 2001, quando decidiu vender suas linhas e parte da frota à família Azevedo que ampliou a participação da Expresso Timbira no transporte urbano. Pouco depois, os diretores decidiram criar uma nova razão social que se chamou Viação Timbira LTDA., com código 36, que após 2010 passou a se chamar Santa Cecília.

2003

Em 2003, a 32-São Judas Tadeu foi vendida ao grupo Guanabara, que manteve seu nome fantasia até o começo de 2004, até definir o novo nome da empresa que estava cadastrada como Viação Urbana Filial e que, posteriormente, se transformou na atual Auto Viação Dragão do Mar.

No mesmo ano, a 18-Salete foi negociada entre as empresas Maraponga, São Francisco e Santa Maria, mas se manteve com o nome até Fevereiro de 2004, quando a família Uchôa deu início às operações da Cearense Transportes.

No fim de 2003, a Autoviária Freitas vendeu suas linhas e parte da frota, que ocasionou na criação da Viação Cidade Luz. A empresa marcou a história da região do grande Bom Jardim, encerrando suas atividades com 57 veículos.

2004

No ano de 2004, a 08-Costa do Sol teve seu processo de transferência de linhas e frota concluída. A empresa foi comprada pelo empresário Chiquinho Feitosa que a dividiu entre as empresas Rota Sol, Vega e São José. A 01-Rota Sol, no último trimestre daquele ano, concluiu o processo de transferência de suas linhas e frota à Vega, a jovem empresa que se formou do ''sangue'' da Rota Sol.

Em 2004, a 09-CTC teve seu último ''fôlego'', entregando todas as suas linhas urbanas mediante licitação às empresas vencedoras do processo, e definiu suas operações apenas para o transporte escolar de alunos da rede municipal de ensino.

A 34-Botucatu foi vendida ao grupo Guanabara e foi incluida na então nova empresa da holding no sistema urbano, a Dragão do Mar, que absorveu toda a sua frota operante que contava com 40 Caio Apache S21, 20 Caio Alpha e 5 Caio Piccolo de 1 porta, que duraram pouco tempo na frota, todos com chassis da Volkswagen.

2007

Um fim de ano muito triste para muitos saudosistas do transporte público foi em 2007, quando a 05-Viação Bons Amigos e 16-São Vicente foram vendidas às empresas filiadas ao Sindiônibus. A empresa concentrou suas operações, principalmente, nos bairros João XXIII, Henrique Jorge, Genibaú, Demócrito Rocha e adjacências. Ambas possuíam juntas 86 veículos em operação.


2010

A 40-Viação Cidade Luz se transformou na 19-Fretcar Transportes, pertencendo a mesma diretoria. O grupo decidiu mudar o nome para fortalecer a marca Fretcar que naquele momento, quando após um ano foi criada a Fretlog.

Em 2010, a 04-Via Máxima e 12-Auto Viação São José formaram uma fusão e se transformaram na São José Transporte Urbano, abolindo suas tradições, suas marcas e gerando uma empresa que hoje se consolida entre as 3 maiores do segmento na capital cearense.

2012

O ano de 2012 foi marcado pelo início da licitação do sistema urbano de Fortaleza. As empresas 03-Expresso Timbira, 10-São José de Ribamar, 11-Montenegro 13-Transpessoa 15-Asa Azul, 25-São Francisco, 38-Maratur e 39-São Benedito deixaram de pertencer ao transporte municipal de Fortaleza. Houve muita tristeza no meio da busologia pois muitos entusiastas mantinham essas empresas como suas favoritas, marcantes na história no transporte.




2014

Quando menos se esperou, a 33-Rota Expressa não conseguiu sustentar suas operações devido um problema financeiro e acabou entregando suas linhas às empresas consorciadas. A companhia perdeu 16 ônibus a um banco e não teve como recuperá-los ficando inviável continuar no segmento.

2015

Um ano depois, a 43-Cearense que estava com dificuldades financeiras também resolveu vender suas linhas. A empresa estava com déficit de frota, estando sem condições de renovar a mesma por complicações na linha de crédito e com um ônus muito grande no setor fiscal que lhe impediram de continuar no sistema.

Fonte: MOB Ceará

domingo, 22 de abril de 2018

Saudade: Cialtra atolado na Cidade 2000

Mesmo com imagens que mostram momentos difíceis que as empresas passavam pela deficiência da malha viária de Fortaleza, nos anos 80, os busólogos retiram a parte boa das antigas imagens divulgadas nas notícias de jornais impressos.


Nesta edição, você confere imagens do Caio Bela Vista de prefixo 57 da Cialtra, que atolou na região do bairro Cidade 2000. O ônibus dotava a antepenúltima pintura da companhia, composta pelo branco e laranja, anos antes da implantação do sistema integrado municipal. Veja mais uma imagem:


Fonte: MOB Ceará

Tradutor