MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Conheça os dois hobbys que andam juntos: Busologia e Spotting Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Há dez anos... O último dia da Autoviária Freitas

Ao fim do dia 20 de Dezembro de 2003, os busólogos e usuários do transporte de Fortaleza testemunharam o ultimo momento em que os ônibus da Autoviária Freitas estavam em operação no sistema, dando por encerrado a história de uma empresa com 35 anos de idade.


Em 1968, a Autoviária Freitas foi criada pelo Sr. Paulo Maria de Freitas, que utilizava seus ônibus na região do Bom Jardim e adjacências, transportando seus usuários até o centro da cidade.

A empresa, ao longo de sua história, alcançou um crescimento considerável, investindo sempre que possível no aumento de sua frota, com o incremento de veículos novos, para garantir o atendimento aos usuários.


O foco da empresa sempre foi as linhas "alimentadoras", ou seja, as consideradas "linhas de bairro", como por exemplo 335 e 366 - Bom Jardim 1 e 2, 336 e 376 - Santa Cecília 1 e 2, entre outras linhas criadas entre o final dos anos 90 e começo de 2000.


Entretanto, em caráter provisório, a empresa operou no ano 2000 algumas linhas da CTC - Companhia de Transporte Coletivo, tais como a 013 e 014 - Av. Aguanambi 1 e 2, e a 078 - Siqueira/Mucuripe. Este fato durou poucos meses, pois a estatal já estava perto de entregar algumas de suas linhas para a então nova empresa do sistema, a Botucatu Auto Ônibus.

As operações da empresa seguiam normalmente até uma grave crise surgir na empresa em 2002, afligindo a área da manutenção da frota. O período durou quase dois anos, e fez com que a frota da empresa - que sempre manteve uma baixa idade média da frota, reduzir sua qualidade nos serviços prestados. Assim, mais uma tradicional empresa, praticamente sem condições de continuar, acabou sendo vendida.


Após fechado o negócio, a empresa que ostentou o código "22" em seus ônibus desde a década de 1990, deixava de fazer parte da família Freitas, ganhando como novo proprietário, o grupo que atualmente se denomina como Fretcar.

A Autoviária Freitas, sob nova direção, adquiriu alguns Busscar Urbanus 1997 das empresas Viação Urbana e Viação Fortaleza, e retirou de circulação alguns de seus veículos mais antigos. Do instante da aquisição até o dia 20 de dezembro, a Freitas ainda resistia com seu nome estampado nos pouco mais de 50 veículos que estavam em operação naquele momento.

O fim da Autoviária Freitas foi oficialmente decretado no dia 21 de Dezembro de 2003. quando foram iniciadas as operações da Viação Cidade Luz, empresa que deu origem a atual Fretcar Transportes no setor urbano de Fortaleza.

A nova empresa começou suas atividades com boa parte da frota (bem como as linhas) herdadas da empresa "22".

Fonte: MOB Ceará/Cepimar

5 comentários:

Ernesto disse...

Gostei da matéria, inclusive andei muito na maioria destes carros pois morava no Pq. Santa Cecília e o meu preferido era este 22007 que tinha o motorista Brasil que até hoje continua nas linhas e hoje trabalha na Fretcar pois era o motorista mais ágil da Freitas!

Hugo disse...

Uma vez esse mesmo motorista chamado Brasil estava com o 22007 na linha Bom Jardim 1,o cara dobrou de uma vez na rua Oscar Araripe que antes era duas mãos,a mulher disse meu senhor você toma mais cuidado,o senhor não está levando saco de batata,tá levando é gente,então ele disse,que a senhora se segure,aqui é rapidez,se tá com medo,que a senhora desça. hahahaha :D

Vitor Silva disse...

Primeiro lugar quero parabenizar pelo Blogger e dizer que recordei muito ao rever ônibus que fizeram parte da minha história..Sempre pegava Bom Jardim 01 para ir ao Trabalho...Parabéns!!

Brena Ellen disse...

meu tio foi um dos primeiros a trabalhar na freitas
hoje já não é mas vivo facundo colocou uma funeraria e por conhecidencia morreu em frente ao iml quando esperava um corpo

Helder Silveira disse...

Trabalhei no 22036, esse ônibus vermelho do artigo. Em 1996 era o único carro vermelho da AF. Rodava no horário da tarde com o motorista Rami...Até hoje sou muito grato ao saudoso Sr. Nego e ao filho dele Kuri pelo meu primeiro emprego.

Tradutor