MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Ranking das frotas mais novas do metropolitano Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Marcopolo Torino: 30 anos de sucesso - Parte 2

Apresentamos, agora, a segunda parte da série especial sobre o popular Torino, da encarroçadora Marcopolo. A seguir, você continuará a viagem pela história desta carroceria, passando pelos mitos e verdades inerentes ao modelo e descobrindo mais curiosidades. 

O Torino 1999
Fabricado à partir do 2º semestre de 1999 até 2006
 
Em 1999, é lançada a quarta versão do modelo, que recebe nova frente, nova traseira e nova janela de motorista, entre outros itens.

Esta geração não recebeu nomenclatura oficial da Marcopolo, que o trata apenas como "Torino".
A nomenclatura desta versão é alvo de controvérsias entre os busólogos, que chamam de "GV-2" ou de "G6", mas nenhuma das denominações é aceita oficialmente pela encarroçadora.



Fabricado até 2006, o modelo foi um sucesso nacional, sendo que vários deles ainda estão circulando em Fortaleza e região metropolitana.
 

Na época do lançamento, o Torino 1999 ganhou um "primo": O Ciferal Turquesa, que aposentou o Padron Cidade II após a Ciferal ter sido adquirida pela Marcopolo.


O Turquesa foi fabricado na planta carioca de Duque de Caxias até o ano de 2002, quando teve sua produção encerrada com o lançamento do Citmax.



O Torino 2007

Modelo fabricado de 2007 até os dias atuais.
Em 2007, é lançada mais uma versão do modelo: A quinta versão do Torino é classificada por vários busólogos como "G6" ou "G7", sem chegar a nenhuma convenção.


Esta é a versão de maior sucesso do Torino, tanto que, segundo a Fenabrave, o Torino foi o modelo mais emplacado até outubro de 2012. (Veja mais sobre o ranking de vendas no Blog Ponto de Ônibus).

 

O Torino 2007 é produzido até os dias atuais, em grande parte na fábrica carioca da Ciferal, enquanto algumas versões sob encomenda vem da fábrica gaúcha de Ana Rech.



As versões especiais do Torino


Torino LS 

Em 1995, a Marcopolo desenvolveu uma carroceria exclusiva e "sob medida" para Curitiba, denominada Torino GV-LS (Long Size) com um design diferenciado em sua área frontal; altura interna de 2,20 metros (30 cm a mais que os primeiros modelos) e a adoção de um teto inteiriço feito em fibra de vidro, que eliminou a necessidade de rebites e reduziu o peso do veículo.
Raro de ser encontrado, praticamente vendido apenas para Curitiba. Pode ser encontrado também em Manaus e São Paulo.


Em 1999, após o lançamento do Torino urbano "GV-2", a Marcopolo lançou a segunda versão do Torino LS, que ganhou uma vistosa reformulação na traseira (com disposição de lanternas semelhantes ao micro Vicino), além de discretas alterações na dianteira.



Low Entry

Em 1998, é lançado o Torino Low Entry, um dos primeiros ônibus com piso baixo do Brasil, que em 1999 ganhou novo visual.

Marcopolo Torino GV LE (Low-Entry).

Marcopolo Torino "GV-2" Low-Entry



Trólebus





A Marcopolo já investia na construção de ônibus elétricos desde antes do lançamento do Torino. Em 1979 foi construido para a cidade de Santos-SP o primeiro trólebus Marcopolo Sanremo com chassi Scania BR-116 e sistema elétrico Ansaldo.

Após o lançamento do Torino, foram fabricadas para a capital paulista, mais unidades do Sanremo para as cidades de Santos e Araraquara.

Trólebus Sanremo II Marcopolo/Scania/Ansaldo da Companhia Santista de Transportes Coletivos.


Apenas em 1986 foi lançado o primeiro Torino com propulsão elétrica. Foram 42 ônibus encarroçados sobre o chassi Volvo e eletrônica Tectronic para a Metrobel de Belo Horizonte.

O projeto que ambicionava retomar o sistema de trólebus na cidade foi descontinuado antes mesmo de começar, e os ônibus não chegaram nem a ter o sistema de propulsão instalado.

Após ficar algum tempo encostados, eles foram adquiridos e reformados pela empresa paulista Metra, que instalou equipamento eletrônico Gevisa. 


Torino ex-Belo Horizonte reformado pela Metra


Durante o decorrer da história, diversos trólebus antigos foram reformados e reencarroçados. Vários deles ganharam a carroceria Torino GV. A CMTC e a Eletrobus, por exemplo, reformaram diversos exemplares.

Torino GV Scania/Powertronics da Eletrobus

Torino GV Volvo/Gevisa da Metra


Gostou? Não se preocupe, ainda tem mais!! Aguarde a última parte da série especial sobre o Marcopolo Torino.

Fonte: MOB Ceará
Pesquisa:

Nenhum comentário:

Tradutor