REDES:

_

Brasileiro 5045: um raro G6 Volvo que operou no intermunicipal cearense Sistema urbano de Fortaleza com 100% da frota acessível Expresso Cabral comemora 65 anos com renovação de frota Vega Manaus já passa de 160 ônibus e recebe 4 Marcopolo 0km Prime Plus recebe o MOB Ceará pela primeira vez Expresso Tur apresenta seus rodoviários ao MOB Ceará

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

Lotação "raiz" seria a dos tempos antigos no transporte?

Para muitos usuários da atualidade, um ônibus lotado é quando todos os assentos estão ocupados, acompanhados de algumas pessoas de pé. E o que falar sobre o tempo em que as pessoas se submetiam a andar pendurados nas portas?


Hoje em dia, o senso crítico das pessoas tem melhorado em relação a aceitação das condições impostas indiretamente por fornecedores de serviços essenciais. Já não se vê ônibus lotados como antes, muito menos catracas muito baixas a ponto das crianças se sujarem todas no piso dos veículos, como era comum até o começo dos anos 2000.


O que motivou essa mudança para melhor? Alternativas de transporte ou o senso crítico das pessoas? Fato é que, hoje em dia, há melhores formas de lidar com os dois problemas citados nesta matéria. Quem não quer ir em ônibus abarrotado espera o próximo e, se a fila continuar grande, os órgãos controladores mobilizam frota extra ou permutas para atender as linhas com maior necessidade. O gesto sazonal, pode acabar gerando um aumento oficial na frota de algumas linhas.


Já as crianças raramente passam por baixo das catracas. Geralmente as mães as levantam por cima do equipamento. Quando especiais, possuem um cartão magnético que permite que elas passem pela catraca, assim como os pagantes.

Redação: Narcisio Santos

8 comentários:

viação rota direta disse...

A lotação "raiz" era comum pois os ônibus tinham como concorrência apenas os trens urbanos/metropolitanos e táxi era artigo de luxo, além disso as empresas tiravam seu lucro por passageiros e não por quilometragem, assim como a frota já era aquém da demanda pelo serviço. Eram outros tempos em que se tinham mais deveres que direitos, situação que avançou consideravelmente após a criação do SITFOR,sobretudo para as pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. Hoje os usuários tem mais modais para fazerem sua mobilidade na capital cearense, aspecto que interveio na redução da lotação raiz, embora tenham linhas que ainda permanecem com esse problema.

Unknown disse...

Antigamente tudo era central se localizava no centro da cidade hoje nao,voce ja não necessita de grandes deslocamentos.

JW Lopes disse...

Cansei de ser espremido quando vinha do colégio ainda na antiga linha "Praia do Futuro/ Castelo Encantado". Hoje vejo os veículos da atual 907 praticamente vazios em comparação a antigamente, por diversos fatores: Adquirir uma moto hoje, por exemplo, tem muito mais facilidade. Uber é mais barato que táxi. A descentralização do comércio e serviços como já citados.. e por ai vai...

Adelmo disse...

Andei mt p escola no centro dependurado em porta d onibus da Angelin lotado na linha do Rodolfo teofilo e aos fins d semana na linha do Caça e pesca da Iracema p ir a praia.

Anomino disse...

Rapaz fortaleza hoje e uns dos infernos mesmo a gente anda de onibus e o jeito mesmo sabe pq a lotacao sempre e assim onibus lotados tem gente que vai ate na porta dos onibus eu nao sei como e que a fiscalizacao nao ver isso infezlimente a gente e tratado como um burro de carga bota qualquer pessoa dentro infezlimente eu queria deixar de andar de onibus e andar so de uber que e mais barato em conta

Mario gomes disse...

Tô dizendo que esse narciso é babão das empresas anida si diz buslogo buslogo não é babão das empresas como vc é narciso eu só buslogo raiz não babo as empresas e sim faço críticas as empresas com objetivo pra as empresas melhorar os serviços

Narcisio Santos disse...

Kkkkkkk

Narcisio Santos disse...

Crítica só melhora serviço que tem concorrência e que depende do dinheiro do crítico para sustentar a empresa. Vamos acordar pra realidade. Quantas reclamações com companhias telefônicas e de energia elétrica e o que mudou?