MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Saiba quantos ônibus a gigante Gontijo possui MS Turismo renova frota com Caio Solar 2013 Viação Penha se mantém com a 4ª frota mais nova João Pessoa-PB renovando a frota com Torino São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Os ônibus DD’s no Brasil: uma história que começou com um ônibus artesanal em 1928

O CENÁRIO ATUAL, INICIADO EM 1998.

Nos dias de hoje, ônibus DD’s são facilmente encontrados tanto nas empresas que fazem linhas regulares de média/ longa distância quanto nas empresas que operam no segmento de turismo. As montadoras Scania, Mercedes-Benz e Volvo juntamente com as fabricantes de carrocerias dominam completamente a tecnologia para a fabricação desse tipo de luxuoso ônibus , com o lançamento em 1995 do Marcopolo Paradiso GV 1800 DD e, em 1998, com o lançamento do Busscar PAN DD.


O PIONEIRISMO DA PEQUENA ENCARROÇADORA THAMCO NA DÉCADA DE 1980.

Anteriormente ao Marcopolo Paradiso 1800 DD, porém, a encarroçadora paulista THAMCO chegou a produzir em 1988 um modelo de ônibus DD urbano que operou comercialmente em algumas cidades brasileiras.


O modelo foi batizado de ODA e foi apelidado em São Paulo de “Fofão”. O ODA era montado sobre chassi Scania K112 TL. Em São Paulo/SP operou pela CMTC, em Osasco/SP pela CMTO, em Recife pela CTU, e em Goiânia pela Transurb/EBTU.



A empresa Capriolli, de Campinas /SP, manteve uma unidade do ODA preservado até poucos anos atrás. Esse remanescente, junto a outros veículos antigos preservados pela empresa, chegou a ser exposto em alguns eventos de antigomobilismo em Campinas e na capital São Paulo. Após a venda da empresa, o veículo encontra-se “encostado” na garagem em Campinas.






A mesma THAMCO também produziu, em 1989, um gigantesco (para a época) modelo de ônibus DD rodoviário, com 13,20 m de comprimento e quase 4,30m de altura com capacidade para 76 passageiros. O gigante foi batizado de THAMCO GEMINI e era montado sobre chassis Scania K112 de três eixos, e teve pouquíssimos exemplares produzidos.


O “COMEÇO DE TUDO” COM UM NEOPLAN ALEMÃO NUMA LINHA INTERNACIONAL.

Anteriormente a esses lançamentos brasileiros, porém, um ônibus rodoviário do tipo DD já havia operado comercialmente em linha regular de passageiros no Brasil. Foi em 1985, quando a empresa chilena Chilebus colocou em operação na extensa linha internacional Santiago x São Paulo x Rio de Janeiro (via Porto Alegre), um ônibus, com carroceria alemã Neoplan, com apenas 5 cm a mais de altura do que o Diplomata TRIBUS brasileiro fabricado pela Nielson na época . O DD alemão da Chilebus tinha capacidade para 60 passageiros (20 embaixo e 40 em cima), e era equipado com motor OM-403 de 10 cilindros e 360 VC.


Atualmente a mesma Chilebus percorre o trecho Santiago x São Paulo x Rio de Janeiro com modernos e imponentes ônibus com carroceria chinesa Zongtong Navigator e chassis Cummins ISM 420, que despertam grande curiosidade entre os admiradores de ônibus.


O MAIS ANTIGO ÔNIBUS DD DO BRASIL: O CHOPP-DUPLO CARIOCA EM 1928. 

Foi dito no tópico acima que o “COMEÇO DE TUDO” na história do ônibus DD no Brasil teria sido em 1985. Porém, há um fato curioso e pouco conhecido na história do transporte rodoviário brasileiro que nos faz voltar à década de 1920. Naquele longínquo tempo, o transporte por bondes, elétrico ou de tração animal, predominava nas cidades brasileiras.
Na então capital federal, cidade do Rio de Janeiro, a empresa canadense The Rio de Janeiro Tramway Light and Power Co., popularmente conhecida como Light, era, desde 1905, a concessionária responsável pela geração e fornecimento de energia elétrica para a antiga capital federal.
Da geração e fornecimento de energia elétrica a Light passou a explorar o serviço de bondes elétricos, mas diante da necessidade de modernizar o sistema e aumentar a oferta do serviço de transporte urbano da capital, a empresa importou modernos chassis de ônibus europeus da marca britânica Guy, e nas suas próprias oficinas de bondes construiu carrocerias em madeira de dois pisos, batizadas de Imperial mas logo apelidadas pelos cariocas de Chopp-Duplo.
Os curiosos ônibus, bem aos moldes dos ônibus europeus, transportavam 28 passageiros no 1º. piso e 34 passageiros no segundo piso. Contavam com novidades como um potente e mais baixo chassi, campainha para sinalizar paradas, cobradores e passagens divididas em secções. O serviço entrou em operação em 1928 em duas linhas de cerca de 10 km ligando o Centro da cidade aos bairros do Leme e Copacabana. 


Fonte: MOB Ceará
Redação: Marinaldo Júnior 

Um comentário:

leonardo pinto disse...

Ótimas informações, muito bom saber mais um pouco sobre nosso transporte.

Tradutor