MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Conheça os dois hobbys que andam juntos: Busologia e Spotting Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Os ônibus DD’s no Brasil: uma história que começou com um ônibus artesanal em 1928

O CENÁRIO ATUAL, INICIADO EM 1998.

Nos dias de hoje, ônibus DD’s são facilmente encontrados tanto nas empresas que fazem linhas regulares de média/ longa distância quanto nas empresas que operam no segmento de turismo. As montadoras Scania, Mercedes-Benz e Volvo juntamente com as fabricantes de carrocerias dominam completamente a tecnologia para a fabricação desse tipo de luxuoso ônibus , com o lançamento em 1995 do Marcopolo Paradiso GV 1800 DD e, em 1998, com o lançamento do Busscar PAN DD.


O PIONEIRISMO DA PEQUENA ENCARROÇADORA THAMCO NA DÉCADA DE 1980.

Anteriormente ao Marcopolo Paradiso 1800 DD, porém, a encarroçadora paulista THAMCO chegou a produzir em 1988 um modelo de ônibus DD urbano que operou comercialmente em algumas cidades brasileiras.


O modelo foi batizado de ODA e foi apelidado em São Paulo de “Fofão”. O ODA era montado sobre chassi Scania K112 TL. Em São Paulo/SP operou pela CMTC, em Osasco/SP pela CMTO, em Recife pela CTU, e em Goiânia pela Transurb/EBTU.



A empresa Capriolli, de Campinas /SP, manteve uma unidade do ODA preservado até poucos anos atrás. Esse remanescente, junto a outros veículos antigos preservados pela empresa, chegou a ser exposto em alguns eventos de antigomobilismo em Campinas e na capital São Paulo. Após a venda da empresa, o veículo encontra-se “encostado” na garagem em Campinas.






A mesma THAMCO também produziu, em 1989, um gigantesco (para a época) modelo de ônibus DD rodoviário, com 13,20 m de comprimento e quase 4,30m de altura com capacidade para 76 passageiros. O gigante foi batizado de THAMCO GEMINI e era montado sobre chassis Scania K112 de três eixos, e teve pouquíssimos exemplares produzidos.


O “COMEÇO DE TUDO” COM UM NEOPLAN ALEMÃO NUMA LINHA INTERNACIONAL.

Anteriormente a esses lançamentos brasileiros, porém, um ônibus rodoviário do tipo DD já havia operado comercialmente em linha regular de passageiros no Brasil. Foi em 1985, quando a empresa chilena Chilebus colocou em operação na extensa linha internacional Santiago x São Paulo x Rio de Janeiro (via Porto Alegre), um ônibus, com carroceria alemã Neoplan, com apenas 5 cm a mais de altura do que o Diplomata TRIBUS brasileiro fabricado pela Nielson na época . O DD alemão da Chilebus tinha capacidade para 60 passageiros (20 embaixo e 40 em cima), e era equipado com motor OM-403 de 10 cilindros e 360 VC.


Atualmente a mesma Chilebus percorre o trecho Santiago x São Paulo x Rio de Janeiro com modernos e imponentes ônibus com carroceria chinesa Zongtong Navigator e chassis Cummins ISM 420, que despertam grande curiosidade entre os admiradores de ônibus.


O MAIS ANTIGO ÔNIBUS DD DO BRASIL: O CHOPP-DUPLO CARIOCA EM 1928. 

Foi dito no tópico acima que o “COMEÇO DE TUDO” na história do ônibus DD no Brasil teria sido em 1985. Porém, há um fato curioso e pouco conhecido na história do transporte rodoviário brasileiro que nos faz voltar à década de 1920. Naquele longínquo tempo, o transporte por bondes, elétrico ou de tração animal, predominava nas cidades brasileiras.
Na então capital federal, cidade do Rio de Janeiro, a empresa canadense The Rio de Janeiro Tramway Light and Power Co., popularmente conhecida como Light, era, desde 1905, a concessionária responsável pela geração e fornecimento de energia elétrica para a antiga capital federal.
Da geração e fornecimento de energia elétrica a Light passou a explorar o serviço de bondes elétricos, mas diante da necessidade de modernizar o sistema e aumentar a oferta do serviço de transporte urbano da capital, a empresa importou modernos chassis de ônibus europeus da marca britânica Guy, e nas suas próprias oficinas de bondes construiu carrocerias em madeira de dois pisos, batizadas de Imperial mas logo apelidadas pelos cariocas de Chopp-Duplo.
Os curiosos ônibus, bem aos moldes dos ônibus europeus, transportavam 28 passageiros no 1º. piso e 34 passageiros no segundo piso. Contavam com novidades como um potente e mais baixo chassi, campainha para sinalizar paradas, cobradores e passagens divididas em secções. O serviço entrou em operação em 1928 em duas linhas de cerca de 10 km ligando o Centro da cidade aos bairros do Leme e Copacabana. 


Fonte: MOB Ceará
Redação: Marinaldo Júnior 

Um comentário:

leonardo pinto disse...

Ótimas informações, muito bom saber mais um pouco sobre nosso transporte.

Tradutor