MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Conheça os dois hobbys que andam juntos: Busologia e Spotting Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

quarta-feira, 20 de março de 2013

O desafio de pegar ônibus de madrugada

Confira o relato de Bruno de Castro, enviado especial de O Povo, a uma viagem durante a madrugada na linha Grande Circular.

Foi uma madrugada mais longa do que de costume. Trocamos o conforto de casa por duas horas de viagem num ônibus lotado em plena madrugada. A bordo do Corujão / Grande Circular II, eu, o repórter-fotográfico André Salgado e o motorista Antônio Pessoa tínhamos a missão de testar a qualidade do transporte pós-0h, ofertado a cerca de 1.700 pessoas toda noite.

No Terminal do Antônio Bezerra, esperamos 30 minutos até o primeiro carro chegar. Embarcamos com outros 13 passageiros e partimos de imediato. Deixamos o lugar às 0h31min. Pessoa nos seguiu, de carro, a viagem toda para dar retaguarda no caso de algum contratempo. Afinal, estávamos na linha mais extensa das 22 que circulam até 5 horas e algo poderia acontecer, do ponto de vista mecânico, de condução ou de segurança mesmo.
Até chegarmos ao Terminal do Papicu, quase uma hora transcorreu. Pouca gente desceu na Barra do Ceará, avenida Leste Oeste e Praia de Iracema. Mas também pouca gente subiu. Cruzamos a Praia do Futuro, o Meireles... Fomos dos bairros de luxo aos de periferia. Quase 60 localidades, ao todo. Algumas estigmatizadas como violentas. Mas que passaram por nós sem qualquer marca negativa.
Da integração do Papicu em diante, o caos. Uma multidão esperava pelo 056. Jovens, em maioria, saídos do trabalho na rede hoteleira. Mas também alguns idosos e mulheres. Quase todos entregues à sonolência. O bocejo era o gesto mais comum após a disputa por cadeiras. De Messejana ao Terminal do Siqueira e, por fim, ao Antônio Bezerra, até que é possível esquecer um pouco do desconforto e dar risada de certos causos. Como o do garotão, sem camisa e com o celular apoiado no peito que tentou paquerar uma garota ao som de Valesca Popozuda. Investida fracassada.

Foi exaustivo rodar por duas horas. Mesmo sem trânsito, o itinerário é estafante. A lotação sufoca. Sensação agravada com o calor, de escaldar até com janelas e claraboias abertas. Uma realidade não muito distinta da vivida pelos cerca de um milhão de fortalezenses que reclamam – aos montes – da qualidade do serviço prestado durante o dia.

Um garçom nos resumiu a frustração: “a Copa está chegando e a deficiência é grande. Para uma cidade que se diz turística, não ter ônibus 24 horas...”. Ele desceu no Siqueira e pegou um mototáxi para casa. Nós ficamos na integração seguinte (Antônio Bezerra), 20 minutos depois – às 2h30min. Foi quando demos o último bocejo da madrugada. 
Fonte: Bruno de Castro/ O Povo

Nenhum comentário:

Tradutor