MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Conheça os dois hobbys que andam juntos: Busologia e Spotting Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Será o fim da Busscar??

Os busólogos brasileiros foram surpreendidos hoje com uma notícia triste: A tradicional encarroçadora Busscar Ônibus S.A. teve sua falência decretada.

A decisão em primeira instância foi tomada pelo juiz da quinta vara cível de Joinville, Maurício Cavallazzi Povoas, e foi divulgada pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina ontem às 17h30.

A decisão se baseou, entre outro fatores, no resultado da Assembleia Geral de Credores, que depois de duas sessões interrompidas em 25 de setembro e em 22 de maio, não registrou aprovação unânime do Plano de Recuperação da Busscar. Somente a aprovação de todos os credores, o que não ocorreu, efetivaria o plano de recuperação e poderia livrar a Busscar do risco da falência.

A Busscar Ônibus não é a única empresa abalada com a decisão:
As empresas Bus Car Investimentos e Empreendimentos Ltda, Buscar Comércio Exterior S.A., Lambda Participações e Empreendimentos S.A., Nienpal Empreendimentos e Participações Ltda, TSA Tecnologia S.A.,Tecnofibras HVR Automotiva S.A e Climabuss Ltda, todas administradas pelos sócios-diretores Claudio Roberto Nielson e Fabio Luis Nielson sofreram com o julgamento. Porém as empresas Tecnofibras e ClimaBuss continuam operando provisoriamente. A ClimaBuss continua por mais 30 dias normalmente, enquanto a administração da falência vai determinar depois desse prazo em relatório se a empresa possui ou não condições de continuar aberta. Convém lembrar que esta é uma decisão em primeira instância, cabendo recurso por parte da empresa.



HISTÓRIA QUE NÃO PODE SER APAGADA

Apesar da situação recente envolvendo a Busscar, a história da empresa é algo que não deve ser anulado.

Com pioneirismo e inovações, a Nielson – Busscar contribuiu não só para o desenvolvimento da indústria de ônibus e o setor de transportes, mas fez parte do crescimento de toda a nação. Afinal, os ônibus estão inseridos no dia a dia das pessoas, ajudam as cidades a crescerem, levam as pessoas para onde está o emprego e a renda e permitem o acesso aos serviços essenciais, como saúde, educação, lazer, etc.

Fundada em 17 de setembro de 1946, pelos irmãos Eugênio Nielson e Augusto Bruno Nielson, os negócios inicialmente eram destinados para a fabricação de esquadrias, balcões e móveis de madeira. A madeira nesta época também era a matéria – prima das carrocerias de ônibus, com algumas exceções.


No ano seguinte, em 1947, eles reformaram uma jardineira, um ônibus rústico de madeira, e em 1949 foi a vez de construírem uma carroceria de jardineira sobre um chassi de caminhão Chevrolet Gigante. 

Outra característica da época é que os ônibus não tinham chassis próprios, eram somente caminhões que recebiam estruturas, quase artesanais, para transportar passageiros. Com a entrada em 1956 de Haroldo Nielson no negócio, filho mais velho de Augusto Nielson, a empresa toma novos rumos. 

Era época de crescimento econômico, de urbanização e a demanda por ônibus crescia, pois as cidades se tornavam mais populosas e os deslocamentos necessários. A empresa soube aproveitar o momento, naquela época empresa já tinha entrado para a era das carrocerias metálicas.





A Nielson também lançava produtos que seriam destaque e até referenciais para outras fabricantes, como ocorreu com o Diplomata, em 1961. O modelo, variando de acordo com o tempo, foi comercializado até o início dos anos de 1990. No ano de 1987, a Nielson volta a investir em modelos de ônibus urbanos. E lança o Urbanus, que até hoje, passou por várias versões.




Em 1993, apresentou uma solução para o mercado pela HVR Equipamentos Industriais, uma das empresas do grupo, pela qual a carroceria era montada em um chassi próprio da Busscar.

A mudança de nome de Nielson para Busscar foi uma estratégia de negócios e ocorreu entre os anos de 1989 e 1990. Além do novo nome, entrava uma nova família de produtos: a El Buss e Jum Buss, que substituíram os Diplomatas.


A Busscar faz parte direta ou indiretamente da vida de muitos brasileiros. Quem anda constantemente de ônibus, em alguma vez na vida esteve num veículo encarroçado pela empresa.


Fonte: Ádamo Bazani
Fotos: Acervos Busscar/São José de Ribamar/Peterson Pedrosa

Um comentário:

Anônimo disse...

É lamentável a falência de uma empresa tão consolidada no mercado.

Acredito que, se houvesse vontade política, muitos postos de trabalho poderiam ser preservados.

Profundamente lamentável!!

Tradutor