REDES:

_

MOB Ceará participa de passeios São José de Ribamar: a empresa extinta mais falada na busologia Marcopolo apresenta plataforma BioSafe para empresários no Ceará RCR Locação acrescenta em sua frota cearense novos Ideale 800 Horizonte Transportes inova com aquisição de ônibus 0km

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Ação do MPCE requer retorno de 100% da frota de ônibus em Fortaleza

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio da 137ª Promotoria de Justiça de Fortaleza, ajuizou uma Ação Civil Pública (ACP) nesta segunda-feira (21/09) contra o Município de Fortaleza e a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor). Na ação, o MPCE requer que a Justiça determine à Prefeitura e à Etufor, no prazo de 72 horas, a adoção de todas as medidas legais e contratuais cabíveis a fim de disponibilizar 100% da frota de ônibus nos horários de pico, isto é, das 4h30 às 8h e das 15h às 18h, enquanto durar a pandemia de Covid-19. A Promotoria requisita, ainda, multa de R$ 10 mil por dia de descumprimento.
 

As aglomerações no transporte público e a possibilidade de aumento da frota de veículos em circulação foi tema de audiência extrajudicial online promovida pela 137ª Promotoria de Justiça de Fortaleza, em julho de 2020, com a participação de representantes da Etufor, da Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP), do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) e da Agência Reguladora do Estado do Ceará (ARCE). Como resultado, o MPCE recomendou que a Prefeitura adotasse as providências legais para o retorno de 100% da frota nos horários de pico, realizando uma avaliação técnica para que fosse observado o justo equilíbrio financeiro nos contratos de concessão de transporte público.

Em resposta, o Município de Fortaleza, por intermédio da Etufor, informou à Promotoria que havia expedido “Ordem de Serviço” para o Sindiônibus de forma que as concessionárias ofertassem, tão logo fosse possível, 100% da frota de ônibus para os cidadãos fortalezenses. Por outro lado, o Sindiônibus comunicou que só poderia atender se fosse garantido o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão pelo Município de Fortaleza. Essa situação é objeto da Ação Judicial nº 0238745-25.2020.8.06.0001, em trâmite na 3ª Va
ra da Fazenda Pública.

Segundo a titular da 137ª Promotoria de Justiça de Fortaleza, promotora de Justiça Ana Cláudia Uchoa, diante desse impasse, a situação não apenas permanece, como vem se mostrando cada vez mais grave com o retorno das demais atividades econômicas, potencializando o risco de disseminação da Covid-19, num momento crítico de aumento do número de casos na Capital. De acordo com dados do IntegraSus disponibilizados na manhã desta segunda-feira (21/09), a cidade de Fortaleza possui atualmente um total de 3.844 mortes por Covid-19.


Dessa forma, a Promotoria ingressou com a ação considerando as tentativas do Ministério Público de solucionar a situação e persistindo a omissão do ente municipal em adotar medidas eficazes para confrontar a problemática das aglomerações nos transportes públicos durante os horários de pico, mesmo diante do inédito cenário de ameaça à saúde pública. A ACP nº 0608512-77.2020.8.06.0001 ajuizada pelo MPCE tramita na 9ª Vara da Fazenda Pública.

Fonte: Assessoria de comunicação do Ministério Público do Ceará.

7 comentários:

Francisco Roberto disse...

Que voltem a operarem com 100% da frota. E que voltem com o ar condicionados ligado! Pois até os ar condicionados das salas dos postos de saúde voltam a ser usados. E isto já faz um mês hein! Portanto não tem desculpa!

Unknown disse...

Quem vai dirigir??? Foram 50% demitidos!!!!

Cicera Martins disse...

Segundo soube houve um acordo para alguns voltarem, que sabe essa não é a hora para readimitir que foi demitido.

Cicera Martins disse...

Não vai, até por que o vírus resistir, irão continuar com os ar desligados até 2 ordem

Francisco Roberto disse...

Se o vírus resistisse. A prefeitura não autorizaria a volta do uso do ar condicionado em suas repartições. Conversa é essa! A prefeitura permite isto nos ônibus só para satisfazer a vontade dos "empresários". Economizar combustível e consequentemente dinheiro com este dispositivo desligado.

ADRIANO ALMEIDA disse...

Se teve empresa que aproveitou da redução de tabelas e desativou alguns carros mais velhos, como vai voltar ser 100%

Narcisio Santos disse...

Pois num é...