REDES:

_

Com novidades, Viação Itapemirim recebe o MOB Ceará São José de Ribamar: a empresa extinta mais falada na busologia Marcopolo apresenta plataforma BioSafe para empresários no Ceará RCR Locação acrescenta em sua frota cearense novos Ideale 800 Horizonte Transportes inova com aquisição de ônibus 0km

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Indústria de ônibus negocia desoneração tributária

Para continuar competitiva no mercado externo, com número significativo de exportações, e manter o posto de um dos maiores geradores de emprego quando é levado em consideração o nível de nacionalização dos produtos, a indústria de ônibus negociou nesta quarta-feira, dia 28 de março de 2012, com o ministro da Fazenda Guido Mantega, a desoneração tributária na folha de pagamento.

O presidente da Fabus – Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus, e vice-presidente de relações internacionais da Marcopolo, José Fernandes Martins, disse à imprensa que o setor aceita substituir os 20% de impostos pagos sobre a falha de pagamento por 1% sobre o faturamento bruto das empresas fabricantes de ônibus. 

Ele afirmou que o ônibus é um produto tipicamente nacional e que em praticamente todas as suas fases de produção é empregada mão de obra brasileira. 

Ônibus da Marcopolo. O setor de produção de ônibus é o que mais emprega mão de obra nacional proporcionalmente por contar em quase todas as suas etapas com processos e materiais brasileiros. José Fernandes Martins, presidente da Fabus e vice-presidente de relações institucionais da Marcopolo, disse ao Ministro da Fazenda, Guido Mantega, que setor aceita trocar os 20% de impostos incidentes sobre a folha de pagamento por 1% do faturamento bruto. Foto: Adamo Bazani

O nível de emprego é mais alto até mesmo em comparação aos carros de passeio, que importam ainda muitas peças.“É um produto artesanal e as fábricas de ônibus no Brasil são quase todas verticalizadas e produzem quase todos os componentes”, afirmou Martins.

Além disso, com a desoneração, os preços dos ônibus podem se tornar mais atraentes, o que tem como um dos resultados mais renovações de frotas, tanto urbanas como rodoviárias, refletindo positivamente nos serviços à população.

O ministro prometeu também aumento da alíquota de Cofins para produtos importados cujos similares são produzidos no Brasil, com altos índices de peças e mão de obra nacionais. O benfício também é levado em consideração pelo Governo Federal para as empresas da indústria elétrica e eletrônica e contempla 35 produtos das áreas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica.

Fonte: Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes
Foto: Adamo Bazani

0 comentários: