MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Conheça os dois hobbys que andam juntos: Busologia e Spotting Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

domingo, 24 de julho de 2016

Relembrando os Scanias da "Autoviária"

Na época áurea do transporte coletivo de Fortaleza, os chassis que eram comercializados tinham duas classes basicamente: o leve que era usado para linhas alimentadoras, convencionais que ligavam o centro da cidade aos bairros e, em último caso, linhas com média demanda que ligavam dois terminais.

As linhas circulares e troncais detinham a grande parte dos veículos pesados, que foram fabricados entre o final dos anos 80 até metade dos anos 90. As montadoras Mercedes-Benz e Volvo conseguiram atingir a maioria das empresas mas a Scania, conseguiu participação nas maiores empresas de transporte na época, que se resumiam em: Cialtra, Iracema e a empresa do saudoso Carlos Feitosa de Albuquerque Lima, a gigante Autoviária São Vicente de Paulo.


A concessionária Cequip foi a primeira representante da marca em Fortaleza. Com pouco tempo depois, a Cevepe,  "atualmente conterrânea" assumiu a representação da marca suéca. Os primeiros Scanias da ''Autoviária'' foram adquiridos em 1989 e, por onde passavam,  esbanjavam um ronco robusto e "assustador", termo utilizado por alguns busológos da época.




Em seguida a empresa adquiriu dezenas de chassis entre os anos 91 e 92 pois, com o surgimento do sistema integrado, a prefeitura de Fortaleza teria se comprometido de remunerar as viagens de todos os ônibus de Fortaleza, sendo que, no caso dos pesados, o valor seria um pouco mais alto devido o grande consumo que os robustos ônibus mantinham, chegando a consumir 1 litro de óleo diesel a cada 1,5Km, fato que motivou a grande maioria das empresas a cessarem seus investimentos neste tipo de veículo pois a capacidade máxima transportada poderia ser substituída por um novo tipo de chassi, com classe um pouco inferior e com um consumo 50% mais econômico.

Analisando isso a Autoviária São Vicente de Paulo foi aos poucos priorizando a retirada destes veículos de sua frota,  e deixando seus OF-1315 com ano de fabricação inferior por mais tempo na empresa. Confira algumas imagens:








Conheça nosso blog especializado em antiguidades clicando aqui:

Fonte: MOB Ceará

Um comentário:

Marinaldo P. D. Junior disse...

Muito boa essa matéria. Não somente em Fortaleza, mas essa os chassis pesados se fizeram presentes em muitas capitais, até aqui no Rio, que é a capital dos OF!

Tradutor