MOB conhece novos Caio Apache Vip da Santa Cecília Ranking das frotas mais novas do metropolitano Motta encomenda G7 1800 DD para 2018 Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Ônibus é movido a excrementos de galinha

Um ônibus movido a titica de galinha... Não é piada: é uma realidade na Europa, que chega ao Brasil oficialmente esta semana. Em parceria com a Itaipu Binacional, a Scania apresenta um ônibus movido a biometano, um biogás produzido a partir dos dejetos das penosas.



A ideia surgiu ano passado, quando o fabricante trouxe, da Suécia, o chassi 6x2 da linha K movido a gás natural veicular. Itaipu, que já produzia biometano para geração de eletricidade e combustível, fechou a parceria com o fabricante.


O motor traseiro de cinco cilindros e 9,0 litros é ciclo Otto e foi projetado para queimar GNV. Ganhou câmara de combustão especial, que não deixa resíduos de metano e queima 100% do combustível.

Com isso, e mais um mapeamento eletrônico diferente, a Scania conseguiu ter, no propulsor, força em baixas rotações e uma curva de torque similar à de um ciclo Diesel.

O nível de pureza do biometano também ajuda. O processo todo começa na Granja Haacke, em Santa Helena (PR), a 100km da Usina de Itaipu.

Lá, 180 mil galinhas garantem a produção de ovos e de... excrementos. Estes são captados por dutos especiais e levadas a um biodigestor. Então, os dejetos são degradados por colônias de microorganismos e é gerado biogás e biofertilizante.
O biometano passa por uma filtragem para eliminar outros gases e garantir 90% de pureza. Depois, são envazados em cilindros e transportados até um posto de abastecimento dentro de Itaipu.
Publicidade

— O ônibus é muito mais silencioso, e tem um desempenho muito similar o de um movido a GNV — garante Cícero Bley Junior, diretor de Itaipu.

PROCESSO DE PURIFICAÇÃO

O biometano combustível produzido já abastece oito caminhões da frota da granja e o ônibus Scania que transporta alunos dentro da área da usina. O abastecimento se dá como em veículos movidos a GNV. Bombas, bicos e cilindros são iguais aos usados para o gás natural.
O motor rende 320cv de potência para mover o ônibus de 15m e capacidade para 120 passageiros. Segundo os engenheiros, o chassi similar a diesel tem 340cv. O consumo, garantem, é melhor: chega a 15km/m³ (um coletivo a GNV faz 5km/m³ e, a diesel, 3km/l). E o preço na bomba seria equivalente ao do GNV atual.
Outra vantagem é ambiental. O motor atende às normas Euro VI e promete emitir menos da metade dos níveis máximos permitidos na Europa de material particulado e óxido de enxofre.

— O motor foi usado do jeito que chegou da Suécia e não encontrou dificuldades com o biometano daqui. Significa que estamos prontos para produzir biometano — comemora Silvio Munhoz, diretor de vendas da Scania. 

Uma frota maior movida a biometano — como já ocorre em países da Escandinávia e do norte da Europa — ainda é um projeto a longo prazo. Os entraves maiores são o alto custo dos equipamentos para processo do combustível, como o filtro de biogás, que custa R$ 180 mil cada.

Quanto ao ônibus, o diretor da Scania diz que não vê altos custos para a produção de veículos deste tipo.
Até porque este modelo da Linha K tem 80% de peças em comum com o chassi feito no Brasil movido a diesel. 

Fonte: O Globo

Nenhum comentário:

Tradutor