MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Saiba quantos ônibus a gigante Gontijo possui MS Turismo renova frota com Caio Solar 2013 Viação Penha se mantém com a 4ª frota mais nova João Pessoa-PB renovando a frota com Torino São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

sábado, 6 de setembro de 2014

Comil e Mercedes-Benz testam ônibus "bicombustível"

A Mercedes-Benz e a Comil Ônibus estão testando nas ruas de São Paulo, uma nova alternativa de transporte coletivo, que possui menores índices de poluentes. O ônibus, que possui motor bicombustível, movido a Diesel e GNV (Gás Natural Veicular), está em fase de homologação na busca de um transporte coletivo mais limpo.


Segundo a Comil, produtora da carroceria, não é possível fornecer detalhes sobre o veículo, já que o ônibus ainda está em fase de homologação, no entanto, o conceito bicombustível de motor Mercedes-Benz para ônibus foi apresentado na Transpúblico - feira de mobilidade urbana e de veículos de transporte coletivo, na edição de 2013.

Na ocasião, a Mercedes-Benz confirmou os avanços nos testes ainda de bancada (dentro de fábrica) do motor OM-926 LA de 6 cilindros e 7,2 litros, que atende à legislação Proconve P-7 (equivalente ao Euro 5).

De acordo com a Mercedes-Benz, a maior parte das operações do ônibus terá como principal combustível o Gás Natural, podendo chegar a 90% do tempo de funcionamento do veículo. A vantagem, segundo a montadora, é que não houve grandes alterações em relação ao motor diesel convencional. Assim, caso a empresa operadora optar ou se houver dificuldades de abastecimento por Gás Natural Veicular, pode usar apenas diesel no ônibus.

Ainda de acordo com a montadora, se o ônibus contar com 90% de GNV nas operações é possível chegar a uma redução de 18% nas emissões de Gás Carbônico, um dos principais poluentes que causam o efeito estufa, e de até 30% de material particulado.

A injeção do GNV é feita diretamente na entrada do coletor de emissão do motor e a quantidade de gás que vai ser usada pelo ônibus depende das condições de operação. Equipamentos de gerenciamento eletrônico determinam esta quantidade, além da relação ar/combustível.


Apesar de os testes estarem avançados e o veículo já estar na fase de homologação, não há prazo para o ônibus se lançado comercialmente.

Nenhum comentário:

Tradutor