MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Conheça os dois hobbys que andam juntos: Busologia e Spotting Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

sábado, 6 de setembro de 2014

Comil e Mercedes-Benz testam ônibus "bicombustível"

A Mercedes-Benz e a Comil Ônibus estão testando nas ruas de São Paulo, uma nova alternativa de transporte coletivo, que possui menores índices de poluentes. O ônibus, que possui motor bicombustível, movido a Diesel e GNV (Gás Natural Veicular), está em fase de homologação na busca de um transporte coletivo mais limpo.


Segundo a Comil, produtora da carroceria, não é possível fornecer detalhes sobre o veículo, já que o ônibus ainda está em fase de homologação, no entanto, o conceito bicombustível de motor Mercedes-Benz para ônibus foi apresentado na Transpúblico - feira de mobilidade urbana e de veículos de transporte coletivo, na edição de 2013.

Na ocasião, a Mercedes-Benz confirmou os avanços nos testes ainda de bancada (dentro de fábrica) do motor OM-926 LA de 6 cilindros e 7,2 litros, que atende à legislação Proconve P-7 (equivalente ao Euro 5).

De acordo com a Mercedes-Benz, a maior parte das operações do ônibus terá como principal combustível o Gás Natural, podendo chegar a 90% do tempo de funcionamento do veículo. A vantagem, segundo a montadora, é que não houve grandes alterações em relação ao motor diesel convencional. Assim, caso a empresa operadora optar ou se houver dificuldades de abastecimento por Gás Natural Veicular, pode usar apenas diesel no ônibus.

Ainda de acordo com a montadora, se o ônibus contar com 90% de GNV nas operações é possível chegar a uma redução de 18% nas emissões de Gás Carbônico, um dos principais poluentes que causam o efeito estufa, e de até 30% de material particulado.

A injeção do GNV é feita diretamente na entrada do coletor de emissão do motor e a quantidade de gás que vai ser usada pelo ônibus depende das condições de operação. Equipamentos de gerenciamento eletrônico determinam esta quantidade, além da relação ar/combustível.


Apesar de os testes estarem avançados e o veículo já estar na fase de homologação, não há prazo para o ônibus se lançado comercialmente.

Nenhum comentário:

Tradutor