REDES:

_

Novos LD's da Satélite Norte são conferidos por busólogos cearenses Ceará Diesel enfatiza DD's da Marcopolo e Busscar em Happy Hour Neuri Tur convida busólogos para aproximação Sindiônibus convida MOB Ceará para conversa sincera sobre mobilidade urbana MOB Ceará visita as instalações da Ferrari JG - Marcopolo MOB confere novos micros e rodoviários da Princesa

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

40 empresas que ''deram lugar'' para apenas 6

Exatamente. O sistema de transporte intermunicipal cearense chegou a ser composto por 40 empresas de ônibus que, após a licitação que ocorreu entre 2009 e 2010, se tornou operado por apenas 6 companhias.


Gontijo, Princesa dos Inhamuns, São Benedito, Guanabara e Fretcar foram quem ficou com as linhas operadas por veículos rodoviários. A Via Metro assumiu as linhas da Viação Brasília na região do Cariri, operando as mesmas com ônibus urbano.


Uma das companhias ainda vendeu suas linhas antes da licitação, mas após sair o resultado, segundo boatos na época, a empresa não teria recebido a continuidade dos pagamentos referentes à elas e seus veículos.


A minuta do edital de licitação, na época, possuía requisitos envolvendo frota e estrutura, além da própria situação financeira das interessadas mediante a União e ao mercado. Mais de 200 linhas foram licitadas, e muitas pequenas e médias empresas perderam suas concessões, algumas se voltaram para o setor de fretamento e turismo, outras encerraram suas atividades. A mudança não foi aceita por todas, mas em algumas linhas o serviço anterior deixava a desejar, outras tiveram uma grande melhoria e, em poucos casos, permaneceram da mesma forma.


Denúncias de fraude apareceram nos jornais, sobre ônibus "fantasmas" apresentados para a licitação. O MPE iniciou investigação do caso, mas de fato nenhum veículo semi novo entrou no cadastro pelas empresas vencedoras.


O sistema flexibilizou para as vencedoras, onde a idade máxima da frota passa dos 5 anos previstos para 6, depois por mais tempo. O estado entende a mudança econômica e preserva as companhias cearenses.

2019 chega, e o contrato se vence. Algumas renovam suas concessões com o compromisso de melhorar e honrar as cláusulas do documento, outra não suporta manter o mesmo porte de antes e precisa abrir mão de um dos lotes. 2020 chega, e as mudanças começam a serem assinadas, e surpresas não são descartadas até o vencimento de um dos lotes licitados, já que a região 5 teve entraves jurídicos em 2009 e só foi homologado no ano seguinte.

Fonte: MOB Ceará
Redação: Narcísio Santos

7 comentários:

  1. Na minha opinião deveria ter mais empresas no transporte intermunicipal e interestaduais.

    ResponderExcluir
  2. É ponto pacífico que havia, sim, empresas cujas condições estruturais não permitia a prestação de um serviço minimamente seguro e satisfatório. Não obstante, uma parte muito significativa dessas viações, criadas e geridas aos brios de seus criadores, tiveram suas atividades finalizadas, a despeito de honrarem seus nomes e história, servindo aos usuários como quase da parte da família, posto que, quem não conhecia pelo nome aquele motorista que diariamente estava presente nas idas e vindas de todos nós?

    ResponderExcluir
  3. Vale ressaltar que as 40 empresas que citamos não sairam de uma vez com a licitação. Foram quebrando e sendo vendidas na última década

    ResponderExcluir
  4. Isso mesmo Jorge.
    Essa Guanabara e seus estúpidos e ignorantesaúde motoristas tomou tudo graças ao cidadão gomes

    ResponderExcluir
  5. Saudades Viação Paraipaba

    ResponderExcluir
  6. Saudades do BRASILEIRO TRANSPORTES E TURISMO,na qual fiz parte do quadro de funcionários, como (COBRADOR)...

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário sobre nossas matérias, ou mande sugestões através do contato [email protected]
Ressaltamos que não nos responsabilizamos pelo conteúdo dos mesmos.