REDES:

_

Brasileiro 5045: um raro G6 Volvo que operou no intermunicipal cearense Sistema urbano de Fortaleza com 100% da frota acessível Expresso Cabral comemora 65 anos com renovação de frota Vega Manaus já passa de 160 ônibus e recebe 4 Marcopolo 0km Prime Plus recebe o MOB Ceará pela primeira vez Expresso Tur apresenta seus rodoviários ao MOB Ceará

sábado, 17 de junho de 2017

Distrito Federal regulamenta lei que proíbe ônibus de motor dianteiro

O GDF –  Governo do Distrito Federal publicou nesta sexta-feira, 16 de junho de 2017, regulamentação da Lei 5590, de 23 de dezembro de 2015, que proíbe a utilização de ônibus com motor dianteiro no sistema de Brasília e cidades do entorno.
 


Os ônibus atuais com esta configuração poderão continuar até o final da vida útil prevista em contrato.

De acordo com a regulamentação, todos os ônibus novos deverão ser de motor traseiro ou central e até 2018, 70% dos ônibus terão de possuir esse tipo de motorização. Em 2019, o total de ônibus com motor traseiro ou central terá de ser 75% da frota; em 2020, de 80% e a partir de 2021, o mínimo de frota com motor traseiro ou central deverá ser de 85%.
 


Veículos com motor dianteiro só serão permitidos para linhas complementares em vias não pavimentadas, rurais ou então no caso de micro-ônibus.

Desde 2012, havia negociações entre o Ministério Público do Trabalho, Sindicato dos Rodoviários e a Secretaria de Mobilidade para esta exigência.

Atualmente, o sistema do Distrito Federal conta com 3,4 mil ônibus, que operam em cinco bacias, contando com os micro-ônibus das cooperativas.

Fonte: Diário do Transporte

1 comentários:

Edson Feijó disse...

O porque de não querer dianteiro é a saúde dos motorista. É isso. Porque custo não é.