MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Ranking das frotas mais novas do metropolitano Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

terça-feira, 10 de julho de 2012

Meu coração é um ônibus verde e amarelo

O nobre Editor Executivo do Núcleo de Cultura e Entretenimento do O POVO, o senhor Magela Lima, soltou uma nota ontem que fala tudo que está engasgado na garganta de todos os busólogos do Ceará. Leia abaixo a nota publicada:

Fortaleza é uma cidade faminta. Tem fome de mudança constante. Aqui, o prazo de validade de tudo é mais acelerado. As coisas ficam velhas muito rápido. Nada perdura. E a gente se acostumou a viver entre novidades. É fato: nunca tivemos o tempo como bússola. Tanto faz, tanto fez, se algo que existia se acabe. A vida continua. Assim, Fortaleza toca seu barco. Nesse quesito, eu e a cidade batemos de frente. Por natureza, sou um sujeito apegado a tudo.
Esses dias, tenho sofrido de imaginar que possa haver vida em Fortaleza sem os ônibus da São José de Ribamar. Desde o último dia 3, a empresa está impossibilitada de atender as 17 linhas que cobria porque perdeu a licitação para explorar o setor de transporte público. 

Foram 45 anos de serviços prestados! Entendo perfeitamente que a administração pública tenha processos e procedimentos a cumprir, sei que a São José de Ribamar foi negligente com isso, mas o afeto é irresponsável por excelência.
A Fortaleza que eu gosto tem ônibuzinhos verde-amarelo ligando o Centro da Cidade à Rodoviária. Não se trata nem do percurso, nem da qualidade do serviço que era oferecido. Não, não é isso. Outras empresas podem fazer o mesmo e melhor, sem dúvida. A mim, o que faz falta é que Fortaleza reivindique o direito de manter sua paisagem urbana. Os ônibus tradicionais da São José de Ribamar, despadronizados aos olhos de hoje, são como o 511 e o 512 cariocas.

Quem já viveu o Rio de Janeiro sabe bem que é possível cruzar da Urca ao Leblon de mil maneiras. No entanto, os ônibuzinhos marrom com azul transformam esse trajeto de forma especial. Meu sonho era que Fortaleza fosse mais ciosa de si. Eu, por mim, a Prefeitura compraria a velha frota da São José de Ribamar e a deixava perambular pelas ruas. Talvez, até de graça. Em algum momento, Fortaleza precisa aprender que não há futuro possível sem passado.


Magela Lima


Fonte: Magela Lima
Fotos: Jardel Machado

Um comentário:

Felipe Lucena disse...

Me deu até uma certa angustia ao ler o texto. Infelizmente temos muito da cultura americana (derrubar e construir de novo). Perdemos lindos prédios históricos, arquitetura de ruas, e agora a Empresa São José de Ribamar. Pena que o crescimento não foi e nem é organizado por aqui. Triste.

Tradutor