MOB conhece novos automáticos da Viação Princesa Ranking das frotas mais novas do metropolitano Prefeito afirma vir articulados para corredor da Aguanambi Uma história exclusiva do Ciferal Jardineira Diversas fotos de ônibus antigos no MOB Relíquias. Clique nessa foto São Benedito oferece visita ao MOB Ceará

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Câmara aprova redução de ISS para empresas de ônibus

A Câmara Municipal de Fortaleza (CMF) aprovou ontem a mensagem que praticamente isenta as empresas de transporte coletivo de Fortaleza de pagar o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). O Projeto de Lei Complementar (PLC), encaminhado pela Prefeitura, reduz de 2% para 0,01% a alíquota do importo para as empresas do setor. A matéria gerou forte reação dos vereadores da oposição, que são minoria na Casa. Ao final, a mensagem teve 22 votos a favor, dois contra e uma abstenção.

Segundo o texto, devido ao interesse público, é preciso adotar “estratégias para a desoneração dos tributos de competência municipal, que repercutam diretamente no valor da tarifa repassada aos usuários”.

A matéria diz ainda que o ISS para o transporte público alternativo (como topics) será de 2%. A mensagem havia sido retirada de pauta na terça-feira por falta de um relatório sobre o impacto que a redução terá no orçamento do Município. Ontem, um documento foi anexado, mas, de acordo com os oposicionistas, não continha as informações financeiras necessárias.

“Os vereadores não sabem o que estão votando. Estão apenas cumprindo ordens da prefeita (Luizianne Lins)”, afirmou a vereadora Toinha Rocha. Segundo ela, o relatório foi anexado apenas momentos antes da mensagem ser votada e não foi analisada pelas comissões competentes. Toinha criticou ainda o conteúdo do projeto. “Os vereadores estão isentando os empresários de ônibus de pagar impostos”, afirmou. Toinha e os demais vereadores de oposição disseram que vão entrar com ação na Justiça contra a matéria.

O presidente da CMF, Acrísio Sena (PT), argumentou que a maioria dos vereadores havia concordado em votar a matéria da forma como estava. “O plenário é soberano e aceitou colocar em votação”, disse. Plácido Filho (PDT) também foi contrário ao projeto, classificado por ele como “imoral”. “Dá-se tudo aos empresários”, criticou.

O líder da prefeita na Câmara, Ronivaldo Maia (PT), rebateu as críticas. “Essa matéria é legal e prevê a desoneração de imposto, para facilitar a negociação que está em andamento”, afirmou, em referência à greve de motoristas e cobradores de ônibus. João Batista (PRTB), disse que a redução é “a única forma de segurar o congelamento do preço da passagem (de ônibus)”.

ENTENDA A NOTÍCIA
Segundo a Prefeitura, a redução é necessária para que não haja aumento do preço da passagem de ônibus. A oposição, no entanto, considera a medida vantajosa apenas para os donos das empresas de ônibus.

Fonte: O Povo
Foto: Dário Gabriel

Nenhum comentário:

Tradutor